Deputado Fausto Souza justificou que não podia ficar calado diante das acusações. (Foto; Elisa Garcia Maia/Aleam)
Deputado Fausto Souza justificou que não podia ficar calado diante das acusações. (Foto; Elisa Garcia Maia/Aleam)

O deputado estadual Fausto Souza (PSD) usou a tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), nesta quarta-feira (5), para se defender das acusações em relação ao processo de exploração infantil no qual é citado e por isso tem sido abordado pela imprensa.

No início do discurso o deputado lembrou que é comum para os políticos sofrerem acusações frutos da “maldade alheia”. “Ninguém que optou pela vida pública está livre das imaginações maléficas daqueles que lhe querem arrancar o mandato. Colheram depoimentos de pessoas que não conheço e que não podem de forma categórica afirmar que por mim foram molestadas. A mim atribuem atos que estariam comprovados, mas isso não é o que se extrai das investigações que constam nos autos e é o que será comprovado pela Justiça”, defendeu-se.

Souza justificou que não podia ficar calado diante das acusações e lembrou a importância das provas no processo. “Não pode haver condenação sem que as provas sejam incontestáveis. Esse tipo de crime exige a prova firme, concreta, irrefutável e lícita, e tais condições não se verificam nesse caso”, apontou.

O parlamentar pediu, ainda, que os colegas parlamentares não recebam as notícias veiculadas como verdadeiras de forma imediata. “Quero apelar aos meus pares que não se influenciem pelos noticiários e que não me lancem no rol dos culpados, antes de me ser oportunizada a defesa, porque esta trará a revelação da verdade”, afirmou.