Hoje a nossa princesinha está em festa! E para comemorar essa data especial, vamos conhecer um pouco da nossa história.

As origens do Município de Amaturá se prendem às de São Paulo de Olivença. Foi fundada pelos jesuítas que catequizavam os índios da Bacia do Rio Solimões, em fins do Séc. XVII. Passadas as disputas entre espanhóis e portugueses para o domínio da região com a vitória destes últimos, a antiga Missão de São Paulo Apóstolo, depois Aldeia de São Paulo dos Cambebas, vem a ser sede de Município, desmembrado de Tefé e com a denominação de São Paulo de Olivença. O território deste experimenta vários desmembramentos dando origem aos municípios autônomos de Benjamin Constant e Santo Antônio do Içá. Em 1968 é enquadrado como área de segurança nacional. Em 30.03.1982, o Município de Amaturá conquista a sua autonomia administrativa e política.

Amaturá é um município brasileiro no interior do estado do Amazonas. Pertencente à Mesorregião do Sudoeste Amazonense e Microrregião do Alto Solimões, localiza-se a oeste de Manaus, capital do Estado, distando desta cerca de 1.072 quilômetros. Sua área é de 4.758,743 km² (fonte: Wikipédia).

A população atual, segundo dados do IBGE, censo 2010, é em torno de 9.467 pessoas dividindo-se em 4.902 homens e 4.565 mulheres; a população urbana é de 4.960 entre homens e mulheres e a rural de 4.507.

 O Município tem como receita o valor de R$ 12.275.347,64 e de despesa a quantia estimada de R$ 8.975.071,95. Tendo como principal força de geração econômica o serviço público, que corresponde ao produto interno bruto em cerca de R$ 33.945; logo após vem a agropecuária com R$ 10.532 e a indústria com R$ 4847.

A fonte de renda da população está ligada diretamente aos setores públicos: servidores da Prefeitura, do Governo Estadual e Federal. Em segundo patamar de geração de renda, temos a agricultura, a pesca e a pecuária; em terceiro lugar os comércios locais, tanto urbanos como rurais seguidos pelas empresas privadas locais: a de beneficiamento de castanha e produção de tijolos.

A renda per capita média de Amaturá cresceu 59,09% na última década, passando de R$120,37 em 2000 a R$178,69 em 2010. A taxa média anual de crescimento foi de 48,45%. A extrema pobreza (medida pela proporção de pessoas com renda domiciliar per capita inferior a R$ 70,00, em reais de agosto de 2010) passou de 52,42% em 2000 para 42,81% em 2010. A desigualdade diminuiu: o Índice de Gini passou de 0,66 em 2000 e para 0,64 em 2010. Entre 2000 e 2010, a taxa de atividade da população de 18 anos ou mais (ou seja, o percentual dessa população que era economicamente ativa) passou de 54,94% em 2000 para 42,76% em 2010. Ao mesmo tempo, sua taxa de desocupação (ou seja, o percentual da população economicamente ativa que estava desocupada) passou de 13,77% em 2000 para 8,87% em 2010.

Entre 2006 e 2010, segundo o IBGE, o Produto Interno Bruto (PIB) do município cresceu 54,4%, passando de R$ 27,8 milhões para R$ 43,0 milhões. O crescimento percentual foi superior ao verificado no Estado que foi de 52,7%. A participação do PIB do Município na composição do PIB Estadual aumentou de 0,07% para 0,07% no período de 2006 a 2010.

Amaturá possui uma riqueza natural única. Com rios, igarapés e florestas virgens, um povo hospitaleiro e uma culinária típica, torna esse paraíso amazônico uma das paradas obrigatórias na rota do Solimões.

Parabéns aos amaturaense! E viva a Princesa do Alto Solimões.